O Impulso

Ela não queria que fosse. Mas seria.
Mas ela era tão, tão irredutível. Tão convícta.
Ela não queria que fosse.
Mas não adiantava nada o não querer. Porque seria.
Deu pena. Partiu o coração de muitos vê-la.
Tão convícta, cheia de suas veemências, certa de si.
Impetuosa. Eloqüente.
Deu pena. Ela não queria. E foi.
Arrebatador e intenso, foi.
Apareceu no rigor de um impulso. E foi.
E agora já era.

Nenhum comentário: