Elocução, ê louca ação...

Nem sempre peço permissão para falar. No entanto, penso que em alguns momentos é preciso por em exercício o poder de condescendência. Ser menos intransigente e encontrar sorrisos nas pessoas tristes. Talvez seja o exercício mais complicado. Só não vale esquecer de que complacência não pode significar algo além de uma benignidade para com o outro, portanto, nenhuma complacência poderá transformar a essência de quem quer que seja. Ser gentil com o outro, não significa abrir mão da própria alteridade. Somos todos diferentes e todos iguais. Ser solidário e não desejar ao outro aquilo que não se quer para si não pode ferir a essência do que se é. É complicado e dialético. Porque somos coletivos, e precisamos uns dos outros. E cada um é cada um. E cada todos são cada um. Porque no fim "eu ser o outro e o outro ser eu".

Um comentário:

PICANÇO, Marco. disse...

Outro dia falava com a Ana Caroline e ela disse que eu precisava ser mais tolerante... rs!
-"Exerça a tolerância, Marco."
Sinceramente o que acabou com a gente foi essa idéia cristã de martírio... De rastejo pra se chegar à contemplação. A gente tem essa idéia arraigada dentro de nós e lutar contra isso é complicado.Aí, pra não ficar hesitando temos que ser um pouco "navalha na carne mesmo" hahaha. Beijos, beibe ;*