pé de galinha cisca pra trás

Os pés caminham buscando o encontro do revés
Os olhos brandos vêm bradando a pouca tinta dos pincéis
Não sei se é falta de coragem que me falta, ou dos bordéis
Tantos bordados, atordoados de coronéis
De coro, decoro, rouco e bruto
e assassinos assassinados vêm fugindo em seus tonéis
Tonéis de vinho tinto e sangue, arrotado nos anéis

Anéis de ouro em pena, e quantas galinhas são cruéis?

Revés encontro dos pés que buscam o caminho
Pincéis pintando brados olhos brandos
Bordéis de falta de coragem, que me falta, que me falta
Coronéis bordados, tantos atordoados
Brutos coros decorados de tonéis de vinho assassinados
e arrotos de anéis de sangue

Penas de galinhas cruéis, e quanto anel de ouro é pena?


                                    Photo: Amorfa. Claudio. G. Araujo. 2010.